23 set Aleitamento Materno

A livre demanda do ponto de vista nutricional


por Rachel Francischi, nutricionista da Casa Curumim

N

O adulto pode ficar algumas ou várias horas sem comer. O seu metabolismo sabe enfrentar períodos de jejuns sem grandes prejuízos para o corpo humano. Assim, a maioria de nós pode aguardar os momentos oportunos para receber alimentos. Diversos hormônios são liberados na corrente sanguínea, no momento exato e na quantidade certa para permitir as diversas reações químicas de adaptação do corpo para a presença ou não do alimento. Insulina, glucagon, cortisol são exemplos desses hormônios.

Mas… um bebê não pode esperar. Sua sensação de fome é muito, muito intensa! Além disso, sua comida (o leite materno) muda substancialmente ao longo do tempo. O leite materno muda inclusive se sofre atrasos para ser oferecido. Isso porque o leite materno não é um alimento morto, é um alimento vivo, em constante evolução a cada mamada!

A quantidade de gordura muda muito durante uma mamada, e o bebê precisa muito dessa gordura do leite materno. A composição do leite materno muda também entre as mamadas. Por exemplo, o leite do inicio de uma mamada tem pouco gordura, e o leite ao final da mamada chega ter cinco vezes mais gordura. A gordura é fundamental para o adequado crescimento do bebê. O leite materno da manhã não é exatamente o mesmo leite materno da noite.

De forma simplificada, podemos dizer que a composição do leite materno (especialmente a quantidade média de gordura) numa determinada mamada depende de quatro fatores: tempo entre as mamadas; quantidade de gordura no final da mamada anterior; volume (quantidade de leite) mamado na mamada anterior; e volume consumido na mamada atual. É assim que a natureza regula a composição do leite materno.

Pois é! Um bebê que mama 50 mL de cada peito não é o mesmo que aquele bebê que toma 100 mL de um só peito. E a dieta do bebê que toma 100 mL a cada duas horas é completamente diferente daquele que toma 200 ml a cada quatro horas.

Isso porque a quantidade de gordura diminui com o tempo transcorrido desde a mamada anterior (quanto mais tempo de intervalo entre as mamadas, menos gordura terá no leite materno da mamada atual). E a quantidade de gordura no leite materno aumenta com a concentração de gordura no final da mamada anterior. Também aumenta quanto mais leite saiu na mamada anterior. E também aumenta quanto mais leite estiver saindo na mamada atual.

Por exemplo, um bebê que mama numa mesma mamada dos dois peitos raramente acaba com o leite mamado no segundo peito. Nesse caso, ele mama cerca de dois terços de leite menos gorduroso (leite mais diluído) e um terço de leite concentrado. Por outro lado, o bebê que mama de um só peito na mamada, toma cerca de metade de leite diluído e metade de leite concentrado.

O leite materno é um alimento versátil. Para o bebê, não é nada monótono se alimentar apenas dele. Isso porque o bebê não come sempre o mesmo alimento quando está recebendo o aleitamento materno sob livre demanda. Podemos dizer que ele tem a sua disposição um cardápio variado para escolher, desde o equivalente a uma sopa levinha até sobremesas bem cremosas!

O bebê então “escolhe” seu cardápio de leite materno dando instruções ao peito através de três chaves:

1) A quantidade de leite que mama a cada mamada (quer dizer, mamando mais ou menos tempo e com maior ou menor intensidade).

2) O tempo entre uma mamada e a próxima mamada.

3) Tomar só de um peito ou de ambos peitos.

O que um bebê é capaz de fazer com o leite materno é autêntica engenharia de alimentos para obter exatamente a nutrição que necessita diariamente. O controle que o bebê tem sobre sua própria dieta é total e perfeito quando pode variar estas três chaves. Impor um regime de horários (dar de mamar a cada 3 horas por exemplo) é impedir a sábia natureza de agir e regular a exata nutrição que o bebê precisa. Nisso é que consiste o aleitamento materno sob livre demanda: que o bebê decida quando vai mamar, por quanto tempo vai mamar e se vai mamar de um peito apenas ou dos dois peitos.

Referencias bibliográficas

González C. Un regalo para toda la vida: guía de lactancia materna. Madrid, Ed Temas de Hoy, 2009.

González C. Mi niño no me come. Madrid, Ed Temas de Hoy, 2011.

León-Cava N, Lutter C, Ross J, Martin L. Cuantificación de los beneficios de la lactancia materna: reseña de la evidencia. Washington, Organización Panamericana de la Salud, 2002.

Deixe seu comentário