27 mar Temas em Pediatria

Sobrepeso e obesidade infantil: sem idealismos, nem radicalismos.


Por Rachel Francischi, Nutricionista.

www.usnews

As pesquisas de Demografia e Saúde, feitas conjuntamente pelo Ministério da Saúde e o IBGE, confirmam dados alarmantes do aumento no número de crianças com obesidade no Brasil: nos últimos vinte anos, as prevalências de obesidade em crianças entre 5 a 9 anos foram multiplicadas por quatro entre os meninos (4,1% para 16,6%) e por, praticamente, cinco entre as meninas (2,4% para 11,8%).

Muitas famílias acham erroneamente que criança cheia de dobrinhas e “bem fofinha” é uma criança saudável. Mas quais são as consequências da obesidade na infância?

Crianças obesas têm maiores riscos de sofrer problemas cardiovasculares, como colesterol alto e hipertensão, resistência à insulina e pre-diabetes, problemas ósseos e articulares, dificuldades respiratórias como a apnea do sono e são mais susceptíveis a problemas psicológicos e sociais como a estigmatização, preconceito, bullying, baixa auto-estima e até mesmo depressão! A obesidade infantil aumenta o risco de esta criança ser um adulto obeso e de sofrer morte prematura.

As crianças e os adolescentes obesos de hoje têm muito mais chance de serem adultos obesos no futuro, e assim têm maiores riscos de sofrer do coração, infarto, diabetes tipo 2, osteoartrite e vários tipos de câncer (mama, cólon, endométrio, esôfago, rins, pâncreas, tireoide, ovário, próstata, etc).

O melhor caminho é realmente a prevenção segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), pois tanto o sobrepeso como a obesidade podem ser prevenidas!

Os primeiros anos de vida são muito importantes na prevenção: aleitamento materno exclusivo até sexto mês de vida e continuado até pelo menos os dois anos de idade, introdução alimentar adequada com alimentos naturais e variados, nenhuma ingestão de açúcar até os dois anos de idade, por exemplo, ajudarão na formação de uma microbiota intestinal saudável, na educação de um paladar saudável, e na adoção de bons hábitos alimentares que seguirão por toda a vida!

childhood-obesity-28mrd4p

Especialmente na infância, a OMS e o Ministério da Saúde sugerem:

O aumento no consumo de frutas, verduras e legumes é prioritário, assim como grãos integrais e os alimentos naturais ou minimamente processados.

A quantidade de calorias e de gordura deve ser controlada, e isso significa restringir o consumo especialmente de produtos ultra-processados (industrializados como bolachas, salgadinhos, embutidos, macarrão instantâneo, salsichas, sucos de caixinha, refrigerantes, guloseimas em geral, etc) e de açúcar;

Ser fisicamente ativo: no mínimo 60 minutos de exercícios regulares moderados ou intensos, todos os dias.

Especial atenção dou ao tema do processamento dos alimentos. Embora o ultra-processamento dê origem a produtos que não estragam rapidamente, que agradam facilmente o paladar, e que demandam mínima – ou nenhuma – preparação culinária, há enorme perda de nutrientes (especialmente vitaminas e minerais), fibras e água. A presença de aditivos químicos, a quantidade excessiva de gorduras não saudáveis, açúcar e sódio, além do estímulo ao excesso de consumo de energia completam a lista dos malefícios de comer produtos altamente industrializados com frequência…

Estudos já documentaram que, em seu conjunto, quando comparados aos alimentos minimamente processados, os produtos ultra-processados tendem a apresentar mais açúcar, mais gordura saturada, mais sódio, menos fibra e maior densidade energética (mais calorias). Também contém menos vitaminas e minerais. São produtos para serem consumidos apenas de vez em quando e olhe lá, e não diariamente como vejo na rotina de muitas crianças.

A alta densidade energética não é a única justificativa da associação entre o consumo dos ultra-processados à obesidade, especialmente a infantil. Também entram na conta a ingestão de ‘calorias líquidas’ (as bebidas adoçadas e muito calóricas, com sucos de caixinha e refrigerantes) que não trazem saciedade; a hiperpalatabilidade, estimulando o consumo do alimento mesmo quando a pessoa se sente ‘satisfeita’ (esses alimentos são muito saborosos); a adição de químicos que, entre outros fatores, podem interferir com a microbiota humana e a saciedade; a prática do comer sem atenção (comer automaticamente) e do consumo de porções muito grandes; além de ações de marketing agressivas, especialmente para crianças– por parte da indústria. O marketing dos produtos ultra-processados promove o comer compulsivo!

Segundo pesquisadores da USP, dados de 2009 demonstram que estes alimentos representavam quase 28% do total calórico da cesta nacional de alimentos brasileira, e com tendência a crescer.

E como devemos lidar quando uma criança está com obesidade?

O processo para a redução da obesidade envolve a mudança de hábitos de toda a família, e não apenas da criança.

A estigmatização, bullying e baixa auto-estima da criança que sofre de obesidade são frequentes e podem ser trágicas para a criança. Isso também vale para a proibição no consumo de determinados alimentos que a criança gosta e está acostumada a comer. Imagine a família toda degustando uma sobremesa e a criança com obesidade é privada desse convívio. Tudo isso pode desencadear transtornos alimentares, como compulsão alimentar, anorexia e bulimia, que são doenças gravíssimas. A alimentação é um prazer e um encontro social, e precisamos encontrar formas de ajudar a criança (e toda a família) a ter uma alimentação mais saudável, e sem radicalismos!

Outro ponto importante: estigmatizar a criança, colocando um rótulo de obesa ou gordinha, pode agravar a obesidade na idade adulta! Um estudo recente com 500 mulheres adultas encontrou que a insatisfação com o peso estava diretamente relacionada ao fato delas se lembrarem de seus pais fazendo algum tipo de comentário negativo sobre seus corpos quando jovens, independente do seu IMC. E quanto mais comentários dos pais sobre o corpo de suas filhas e sobre o quanto elas comiam, maior o IMC dessas mulheres. Ou seja, é provável que aquela família que busca “ajudar” seu filho contando a ele sobre a sua obesidade, controlando a sua alimentação e comentando sobre seu corpo, podem piorar o quadro no longo prazo.

E o que fazemos então?

Precisamos focar em melhorar o comportamento e estilo de vida das famílias, e não focar na redução do peso da criança. Evitamos a todo custo o controle rigoroso sobre a criança!

Por exemplo, se queremos que nosso filho coma menos salgadinhos e guloseimas entre as refeições, precisamos comprar mais frutas; precisamos frequentar mais feiras livres e menos a sessão de produtos ultra-processados do supermercado (evitar passar nos corredores de salgadinhos, refrigerantes, biscoitos, macarrões instantâneo, salsichas e embutidos dos mercados); precisamos ser criativos para inventar refeições caseiras práticas e nutritivas, em vez de abrir uma caixa de comida congelada ou pedir uma pizza em casa; precisamos dar o exemplo, comendo mais alimentos naturais, tomando café da manhã diariamente e realizando refeições em família com tranquilidade e num encontro harmonioso; se queremos que a criança se exercite mais, precisamos frequentar mais parques e áreas livres com ela; e inúmeros exemplos que podemos planejar conjuntamente com a família para chegar a um plano concreto e real, sem idealismos.

O tratamento da obesidade infantil não é rápido e envolve muita paciência e amor. Vemos que o diagnóstico da obesidade infantil muitas vezes ajuda a família como um todo a repensar seus hábitos e a adotar um estilo de vida mais saudável: pais, irmãos, avós também entram na dança e desfrutam de mais qualidade de vida. É uma oportunidade excelente para aprender a cuidar de nós mesmos e melhorar nossa auto-estima que valerá para a vida inteira!

Deixe seu comentário